A sua vida pode ser assim a partir de agora, um estado de viver em Bem-Aventurança, por mais que “alguém ai dentro da sua cabeça diga o contrário”. É algo novo, na verdade um grande aprendizado, um aprendizado de viver seu Ser genuíno integralmente, enquanto tudo o que é velho e condicionante vai ficando para trás. Entretanto, o passado não desiste assim tão facilmente, e vai tentar te puxar para trás de novo; algumas vezes, ele vai incansavelmente tentar te provar que você não é merecedor, vai fazer tudo para bloquear, sabotar, e te impedir de ser livre. Mas, ainda assim, há uma tremenda energia criativa neste processo, onde você é o Herói e o grande construtor de si mesmo. Sendo assim, não crie fantasias, não vá correndo ativar seus principais medos de estimação, não erga mais paredes de proteção para se proteger destes desafios, necessários ao crescimento humano. Dê o salto sem receio, você está saltando diretamente para um grande oceano de amor, o verdadeiro amor de sua vida, e que sempre esteve junto de você, mesmo sem você saber disso.

Na verdade haverá o choque entre o velho e o novo, e devagar as coisas vão chegar no seu lugar, e está tudo bem! Quando se faz contacto com o nosso ser verdadeiro, descobrimos gradualmente que está tudo bem, aprendemos a confiar na vida. Neste estado, nossa energia deixa de ser dragada e consumida terrivelmente, deixamos de nos sentir pressionados, sentimo-nos livres, e quando alcançamos este estado de ser livre, tudo pode acontecer. Quem é livre, não anseia pela liberdade. Mas um ser humano aprisionado tantos anos pelas correntes da mente, sente-se sufocado, oprimido, magoado; mas o pior, é que acostumou-se a isso. A liberdade dá um sabor diferente para a vida, para as relações, para tudo na vida de alguém.

“Eu posso ser eu mesmo.” Imagine isto como sendo já agora possível e verdadeiro em sua vida – Ser quem É. Viver isto com verdade e profundidade, é paz eterna, é viver o paraíso na terra. Tudo flui a partir daí, tudo pode realmente acontecer. O impossível pode acontecer. Um coração totalmente quebrado pode ser reconstituído a partir deste espaço. Porque este lugar já habita dentro de cada ser humano, é um lugar sagrado, pouco explorado pela maioria, mas ansiado intuitivamente por todos nós.

Ele não é nada novo, nós precisamos apenas descobrir o caminho de volta para ele, de volta para o lar. Às vezes pode parecer impossível e até mesmo árduo chegar lá sozinho, mas você vai chegar lá mais cedo ou mais tarde. E tem outra coisa, lembre-se: você não está sozinho. Você vai chegar lá, mais e mais e mais… e quando você se assentar nesta “casa interna” perceberá que pode estar ao lado de qualquer coisa, um ou melhor dizendo perceberá que o mundo inteiro habita dentro de si. Você vai estar bem, com qualquer pessoa, pedra, árvore, animal ou circunstância.

Muitas pessoas, falsamente acreditam que não podem ficar “bem” porque o mundo inteiro está a sofrer e então: “como assim, ela ser feliz?” Outros desistiram da vida, para ter uma sobre-vida, onde estão acomodadas no que não gostam, mas acreditam que é melhor assim, pois dá trabalho mudar. É inacreditável a quantidade de ignorância que foi plantada na mente humana, na mente de todo o coletivo. Como o Ego humano, consegue através de suas artimanhas, ainda ser persuasivo em fazer tantos desistirem da felicidade, da plenitude e da paz. Como ele consegue? A resposta é simples: pela falta do nosso auto-conhecimento.

Nossa chance está em adquirirmos a prática de colecionadores, colecionadores da verdade, colecionadores de bons sentimentos e bons pensamentos. Quanto mais colecionarmos incessantemente, nossas dádivas, dons e bons presságios, menos a voz da ignorância poderá nos dominar. Seremos exímios colecionadores de nós próprios, juntado tudo de bom, puro e verdadeiro que existe bem dentro de nós, e quando o álbum estiver completo, descobriremos simplesmente que sempre fomos todas as bênçãos humanas, sempre fomos íntegros e inteiros, sempre fomos luz.

Erica Poonam

Gostou? Compartilhe:

Faça um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *