Brigid é uma Deusa irlandesa, uma das mais antigas deidades dentro da cultura celta, cultuada desde tempos pré-cristãos.

O seu nome significa “a que tem poder, a que cria”.

As comemorações desta Deusa acontecem no dia 1 de fevereiro, no Sabbat Imbolc, festival que marca a vinda da primavera. Imbolc significa “dentro do ventre (da mãe)”; a natureza começa a brotar, a semente que foi colocada no Inverno está a desenvolver-se. Brigid convida-nos a observar a natureza, a inalar a sua fragância, a tomar consciência da manifestação da vida nos primeiros brotos. Leva-nos também para as nossas próprias sementes, é uma excelente altura para avaliar como estão as sementes/ projetos/ideias/visões que plantamos no nosso coração, permitindo que o ciclo natural da vida flua através de nós.

Brigid é a personificação do fogo em diferentes vertentes: O fogo que cura, o fogo usado para forjar e o fogo como chama inspiradora.

Brigid como fogo curador abre espaço no nosso coração para mergulharmos nas nossas feridas mais profundas e resgatarmos pedaços da nossa alma que ficaram perdidos, empoderando-nos e incentivando-nos a encontrarmos o nosso mestre interno, a parte sábia, pura e genuína que habita no coração de todos nós.

Como fogo da forja, Brigid é a padroeira da metalurgia, ensinando-nos a sermos os ferreiros dos nossos próprios sonhos e a materializar os nossos maiores desejos. É um fogo que nos conecta com o nosso lado mais guerreiro, mais forte e impulsionador.

Como fogo inspirador, Brigid torna-se a musa dos poetas e músicos. Sussurra-nos insights, mensagens, momentos de inspiração e epifania.

Brigid está também conectada com a água e com as nascentes dos rios, local que simbolizava o inicio da vida, a fertilidade, a abundância e o alimento.  Era normal haver peregrinações a esses locais onde se realizavam oferendas e orações a esta Deusa.

Brigid é vista como uma grande mãe, protetora do lar e da família, o seu coração em chamas está sempre aberto para quem busca aconchego e proteção.  Na altura do parto era comum colocar-se a cruz de Brigid (feita de palha de trigo) nos quatro cantos da casa como forma de proteção e apoio naquele momento.

Como arquétipo feminino esta Deusa impulsiona o nosso lado solar, masculino, impulsionador e dinâmico por natureza. É por norma personificado numa mulher rebelde, autêntica e líder nata, que fala a sua verdade independentemente das normas ou expectativas sociais. Mulher que inspira muitos e é inspirada por todos aqueles que vão além das suas limitações e buscam a sua chama divina.

Se se encontra num momento da sua vida em que sente que lhe falta foco, determinação, coragem ou motivação conecte-se com o fogo de Brigid e pergunte-se: “Onde me encontro neste momento da minha vida? Para onde devo caminhar? Quais os passos a dar? O que devo deixar para trás e permitir que o fogo queime e transmute?” Acenda a tocha que ilumina o seu caminho, que o purifica e liberta das amarras do passado e permita que a sua chama seja o alimento da sua alma.

Prem Nandita

Gostou? Compartilhe:

Faça um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *